É criada a Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu!

2006

A Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu foi fundada em julho de 2006 no bairro de Miguel Couto em Nova Iguaçu, sob a gestão da OSCIP Avenida Brasil Instituto de Criatividade Social e dirigida pelo cineasta e diretor teatral Marcus Vinícius Faustini. Naquele ano, Faustini, diretor do recém-lançado documentário “Carnaval, Bexiga, Funk e Sombrinha” foi convidado pela Secretaria de Educação do Município para pensar uma proposta que dialogasse com o Bairro Escola – programa desenvolvido pelo governo local que, através de parcerias firmadas com associações de bairro, organizações sociais, artistas e ativistas culturais, colocava em prática junto aos estudantes da rede municipal de ensino o horário integral escolar. A Escola Livre de Cinema surge num primeiro momento, com uma equipe frequentando as escolas municipais do bairro para percepção do universo didático em busca de estratégia de uso do audiovisual na sala de aula. Posteriormente, as aulas aconteceram numa pequena casa, na rua onde a escola esteve localizada até 2011. Transformar o território em histórias para cinema foi o primeiro desafio colocado, valorizando as potências locais e seus atores. As crianças tiveram contato com as técnicas de documentário e animação, e por meio delas, apresentaram Miguel Couto sob seus diversos olhares.

2006

Assim, foram realizados os primeiros vídeos: 7 curtas-metragens de documentário e animação, dentre eles os mais conhecidos “Porque tanta Pastelaria de Chinês?”, “Uma ida ao Banco” e “A Fofoqueira”, realizados a partir das turmas com as crianças do horário integral. No mesmo ano, o projeto se deparou com a necessidade de formar um público juvenil-adulto que pudesse posteriormente atuar como mediador em sala de aula. Assim, com base na prática e na experimentação, ainda em 2006, foi gravado em Miguel Couto o documentário “Cante Um Funk Para Um Filme”, realizado com alunos do curso livre para jovens e adultos.

DSC08531

Todos os filmes criados pela escola foram exibidos na ação “Nova Iguaçu, uma cidade que se vê” em praças de vários bairros da cidade, juntamente com outros filmes de produtores da Baixada, no início do ano de 2007. Durante essa ação, alunos da ELC registraram histórias de moradores da cidade a partir de imagens fotográficas, iniciando o que seria mais uma ação nascida na Escola Livre de Cinema: o projeto “Coletores de Imagens”, que viria a ser realizado em outras ações da ELC, até se tornar um projeto independente em parceria com o SESC-Rio.

DSC08535